sábado, 4 de agosto de 2012

Compartilhar as tarefas em casa fortalece o casamento


rggi3j3


Só assim sobrará tempo para que nós donas de casa e trabalhadoras, para::..


Pequenas coisas significam muito. E compartilhar as tarefas domésticas é uma delas. Não é preciso muito para mostrar a alguém que você se importa. Uma palavra. Uma nota. Um tipo ação. Um sorriso. Um telefonema. Um texto. Pode ser apenas a coisa que irá abraçar um coração com fome de um pouquinho de amor. Toda dona de casa precisa e merece isso de você meu caro esposo e meus queridos filhos. Não é por que não trabalhamos fora de nossas casas ou mesmo na grande maioria das mulheres que trabalham fora não têm ajuda da família em seus lares. Trabalham na maioria das vezes muito, mas muito mais ainda.
Tirar um tempo...

Desliguar tudo (computadores, TV, de qualquer ruído) Ouvir o silêncio. Ouçir os pássaros, ouvir o farfalhar das folhas brisa nas árvores ou o ronco baixo de uma tempestade distante. Reúnir seus pensamentos. Escutar seu coração. Tomar uma respiração profunda. Sentir o ar fresco. Ter uma pequena conversa com Jesus. 



...mas para isso acontecer precisamos da ajuda e colaboração de nossas famílias




Compartilhar as tarefas em casa fortalece o casamento

Segundo um estudo da London School of Economics, os casais onde o homem se envolve mais nas tarefas domésticas têm menos probabilidades de se divorciarem. Mas isso não significa que a maioria das mulheres queiram um modelo "igualitário" (50-50) na repartição das tarefas entre o homem e a mulher.

O estudo realizado pela investigadora Wendy Sigle- Rushton, do Departamento de Política Social daLondon School of Economics, faz um acompanhamento de 3.500 casamentos que permaneceram fiéis durante os cinco anos seguintes ao nascimento do primeiro filho (quase 20 % divorciou-se depois, quando os filhos completaram 16 anos).

Para conhecer o grau de envolvimento dos homens na casa, Sigle-Rushton recorre à British Cohort Study de 1970. E o certo é que, de acordo com os testemunhos das suas mulheres, eles não ficam muito bem cotados.

51% deles não ajudou em nada ou desempenhou uma só tarefa. 24% assumiram duas tarefas. E cerca de um quarto encarregou-se de três ou quatro tarefas. O estudo mostra que ocorrem menos rupturas conjugais dentro do grupo de casais onde os maridos mais ajudaram.

Sigle-Rushton introduz um novo factor: a situação laboral das mulheres. Como influi o pouco ou muito envolvimento do homem na vida doméstica quando a mulher trabalha fora de casa?

O estudo toma como referência o caso da mulher que trabalha em casa e cujo marido participa pouco nas tarefas domésticas. E compara com outros dois casos: mulher que trabalha fora de casa com um marido que colabora pouco nas tarefas domésticas; e mulher que trabalha fora e em casa conta com a ajuda do marido.

Segundo conclui o estudo, que a mulher trabalhe fora de casa só fomenta o risco de divórcio quando o marido é dos que não ajudam em casa. Nesta hipótese, o risco de divórcio é 97 % mais elevado que no caso de referência. Se a mulher trabalha fora e o homem desempenha uma boa quantidade de tarefas domésticas, não se detecta aumento de probabilidade de divórcio relativamente ao caso de referência (dona de casa e marido que faz pouco em casa).

A vida familiar é dos dois

Isto indica que para muitos casamentos a solução preferida não é que o marido faça metade do trabalho doméstico, mas sim a parte que seja possível e razoável segundo as circunstâncias da família e os horários deum e outro.

Seria excessivamente teórico exigir uma repartição em partes iguais que não seria bem aceite por todas as famílias.

Segundo as investigações que dispõe, Brad Wilcox - professor de sociologia na Universidade da Virginia - constata que as mulheres casadas que se dedicam a cuidar dos filhos e de outras tarefas domésticas estão satisfeitas quando vêem que os maridos ajudam em casa em tudo o que podem, ainda que façam menos que elas.

Pelo contrário, Wilcox não encontrou estudos que confirmem a tese que a maioria das mulheres desejam um modelo "igualitário", na distribuição das tarefas em casa. Na sua opinião, essa distribuição depende sobretudo de factores como a maternidade ou a situação laboral da mulher.

Como explica em declarações à revista Perspective (Junho de 2010), não é raro que uma mãe com filhos pequenos queira gastar mais tempo com eles e menos no trabalho fora, e preferiam que durante esses anos fosse principalmente o marido a sustentar a família.

Em tais casos, a distribuição desigual das tarefas domésticas, relacionada com a diferente atenção de cada um ao trabalho remunerado, não supõe falta de empenho masculino. Pelo contrário mostra, a seu modo, que a vida familiar é levada avante entre marido e mulher, ainda que as tarefas e a dedicação a elas sejam distintas.
Juan Meseguer
Aceprensa




Beijos meus cheios de luz, paz, amor, fé e esperança!  

3 comentários:

Alfa & Ômega disse...

Discurso ótimo, mas essa de ficar sem computador quase me matou! Eu não sabia que eu estivesse tão presa a ele! Os blogs mudaram minha vida! Sei que não saberia mais viver sem ele! Sou a favor de os homens dividirem as tarefas. Tudo tem que ser dividido para assim o casamento se fortalecer! Grande abraço e lindo final de semana!

Nana Pinho disse...

aqui sempre foi assim tudo mto bem dividido e conversado!
assim nada faz nos esgotar!

Nana Pinho Em Cores
BjO *.*

Orvalho do Céu disse...

Olá, querida
Minha filha divide tarefas (com a casa e filhos0 com o marido... é legal!!!
Deus te cubra de bênçãos e te faça feliz!!!
Bjs festivos de paz