segunda-feira, 22 de agosto de 2011

"Faça você mesma uma autêntica e verdadeira coalhada"





Aqui em casa somos apaixonados por coalhada, mas a verdadeira coalhada, não essas compramos por aí e achamos que estamos comendo algo bom, gostoso, saudável e verdadeiro. queria fazer a minha própria coalhada, preciso sempre enjerir alimentos saudáveis e frescos por conta do meu tratamento. Tem alimento melhor que esse, principalmente para quem que garantir suas medidas.
 Procurando na internet encontrei o blog ARMÊNIO . Li algumas receitinhas que ele nos oferece como DICAS DA CULINÁRIA ARMÊNIA Luciano Pires, que por acaso são imperdíveis, eu gostei e copiei algumas. a coalhada eu fiz e amei agora resta fazer a dica de como fazer a coalhada Seca que também gostamos muito, no pão como patê é ótima.


Receitinha da coalhada por Luciano Pires


A coalhada, típica de todo o Oriente Médio, é resultado da fermentação empiricamente controlada do leite – originariamente de cabras. É obtida basicamente da cuidadosa cultura de bactérias, mas diferencia-se claramente do que se conhece por leite talhado ou por iogurte. Não deve jamais ser examinada ao microscópio, sob pena de provocar ojeriza intermitente no observador. Apresenta, outrossim, aspecto externo de agradável pureza e oferece sabor inigualável – além de provocar reações de indelével frescor nos que a ingerem. Pode ser obtida com facilidade, mesmo a partir de mero e prosaico leite de vaca, conforme os seguintes procedimentos:


1) Ferva o leite (leite tipo A ou B, jamais tipo Longa Vida)
2) Passe o leite fervido para um pirex com tampa
3) Deixe que o leite esfrie até que fique morno (em dias frios, um pouco mais quente do que morno)
4) Dissolva uma ou duas colheres de sopa de coalhada nesse leite morno, mexendo bem
5) Tampe e embrulhe o recipiente em grossa camada de papel ou em um cobertor (mais fácil deixar dentro de um isopor tapado)
6) Deixe descansar por no mínimo 7 horas – sem que haja qualquer tipo de oscilação
7) Destape o recipiente e deixe esfriar


Atenção: Não permita jamais que fariseus insensíveis (geralmente italianos e mineiros) contraponham a esta receita a abominável prática de se talhar o leite com gotas de limão ou "engrossá-lo" com leite em pó ou amido de milho, já que tais procedimentos, além de profundamente heréticos, beiram as raias do mau-gosto em termos de historicidade e respeito às tradições.


OBSERVAÇÕES PERTINENTES


a) Para se criar uma coalhada, é preciso ter o “coalho” (ou seja, um pouco da coalhada que se fez anteriormente). Tal qual a história do ovo e da galinha, nem o mais ortodoxo Catolicós (o “Papa” dos armênios), ou o próprio Noé saberia explicar as origens do Primeiro Coalho. Teria, esse Coalho Primordial, esse Coalho Primevo, sido o “Ser-Em-Si-Imanente-ao-Big-Bang?” Ou, apenas, o “Sumo Supremo” rescendente de papíricas pororocas armênias, sírias, árabes ou libanesas resultantes da confluência do Tigre e do Eufrates, se é que confluem? Eu, pessoalmente – na crença de ser possuidor desse direito, como descendente de tão milenares tradições gustativas – costumo usar como coalho um mero e herético pote plástico de iogurte natural (nem tão natural, mas ao menos sem quinquilharias como morangos, mel etc.) jamais desnatado ou diet, desses que são encontrados, infelizmente sem qualquer dimensão épica da tradição, em qualquer gôndola de supermercado.


b) A coalhada que durante sua fermentação permanece tapada por  seis ou sete horas resulta com sabor suave e aveludado; caso se pretenda uma coalhada mais picante, é preciso deixar que descanse por mais tempo: dez, doze ou quinze horas. (Como se vê, também o Oriente Médio cultiva a paciência que indevidamente se atribui com exclusividade aos habitantes do Extremo Oriente).


c) De cada vinte ou trinta coalhadas que se faz, uma ou duas “não vira” – ou seja: não “coalha”. Totalmente desconhecidas, as causas do fenômeno só podem ser especuladas: talvez algum motim de bactérias subversivas, ou resquícios de mau-humor da anônima vaca que gerou o leite – ou, quem sabe?, a ocorrência de mais um daqueles fatos que se destinam apenas a justificar estatísticas. De qualquer maneira, nesses casos perde-se todo o leite empregado – restando apenas a possibilidade de se exclamar, com a sensualidade de um turco: “Borh!” (o que, em tradução livre e honesta, significa: Bosta!). Por essas e outras, sugere-se que não se tente fazer coalhada em grandes quantidades num mesmo recipiente. Dura, inalterada, por até uns dez dias na geladeira.


USOS E ABUSOS


Coma pura, com mel, com açúcar, com frutas, com alho e sal, use em receitas para muitas vezes substituir creme de leite. É excelente também como regulador da flora intestinal (o princípio é o mesmo do Yakult). E, se quiser ter um pouquinho mais de trabalho, faça em casa (a custos baixíssimos), a famosa “coalhada seca” – para mim talvez o melhor dos patês.



COALHADA SECA


Faça coalhada com cinco litros de leite Tipo A. Num pano de aproximadamente 1 m por 1 m (costumo usar, ao invés de pano, entretela – que é depois apenas descartada), disposto sobre uma vasilha grande, despeje a coalhada já pronta. Amarre as quatro pontas do pano com nós fortes, formando uma grande trouxa. De alguma forma, tire a trouxa da vasilha e pendure com um recipiente em baixo para conter o “soro” que vai sendo coado. Eu costumo usar um isopor grande com um recipiente no fundo, e a trouxa sustentada por um pedaço de cabo de vassoura. Deixe escorrer por umas 12 horas. Depois, é só desfazer a trouxa e colocar a coalhada seca num pote. Guarde em geladeira e, para comer, tempere cada porção com muito azeite, sal, alho socado (se quiser) e hortelã seca.



DICAS DA VOVÓ RÔ::..

imagem


Dica do filme Rua Paraíso 588, que acabei se ver na TV


CRÍTICAS

"Rua Paraíso" é um ótimo e comovente filme francês.  Escrito e dirigido pelo cineasta de origem armênia, naturalizado francês, Henri Verneuil, narra a história de um bem-sucedido teatrólogo, igualmente armênio, desde sua infância pobre em Marselha.


Partindo de um roteiro inteligente por ele escrito, Verneuil apresenta, com habilidade, sutileza e realismo, um filme que procura mostrar a importância das relações humanas, principalmente daquelas ligadas à família.  Sua mensagem diz respeito a valores, tradições e amor, que podem se aplicar a todas as culturas.


A música de Jean-Claude Petit e o excelente trabalho apresentado pelos principais atores também são dignos de nota.
QUER SABER MAIS LEIA AQUI


Ramalhete EspiritualBeijos meus cheios de,
luz, paz, amor fé e esperança!





2 comentários:

Alfa & Ômega disse...

Rô,, sua danadinha, que delícia estás postando, heim? Tony e eu sempre íamos à Águas de São Pedro tomar a coalhada. O narrador é bastante chatinho, mas que coalhada é delícia isto é. Ele tem razão de dizer que não se mistura aqueles ingredientes, mas não deveria dizer quem, não é mesmo?. Beijão, querida!

Samuel Marinho disse...

Amada, como se essa mistura de limao fosse somente usada por mineiros e italianos...