segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

"Saudades de você meu pai, Edgard Wolff"

foto tirada em Gramado

Esse bonitão aí da foto acima era meu Pai. Papai era um homem além de pra lá de bonito e muito galã, era  extremamente honesto e honrado. Um pai como ninguém. Bravo, enérgico o lema dele era escreveu não leu o pau comeu. Eu quando criança era danada que só e com um pai bravo daquele jeito, vivia levando surras de tirar o couro. Nos dias de hoje com certeza papai iria ter sérios problemas.
Mas sabe de uma coisa, eu agradeço a Ele a pessoa que sou. Apesar da sua braveza foi ele quem me ensinou e me formou. Papai tinha como prioridade me educar tanto social como culturalmente. Feliz ou infelizmente levei comigo o jeito de sua educação, também fui extremamente brava e exigente com meus três filhos. Só que eu jamais condenei meu Pai por isso, jamais o acusei de sua educação. Muito pelo contrário afirmo constantemente que se não fosse por ele não seria quem sou.
Nos anos de minha adolescência, lá por de 1966 a l972, época em que fiquei mocinha (como se dizia). Eram dias que nem pensar que um Pai abordasse assuntos sobre menstruação, sexo, namoro...e outras coisas. Papai tinha uma cabeça além do seu tempo. Foi ele quem me ensinou tudo, nada do que sei aprendi na rua ou com as amigas de colégio. Não, papai sentou-se comigo no dia da minha primeira menstruação e foi me detalhando abertamente tudo o que era necessário eu saber. E me orgulho de ter tido um pai como Ele.
Um Pai que me amava e muito. Um pai que quando íamos às festas de casamentos ou aos bailes no clube do qual fazíamos parte, papai, que adora dançar. fazia questão de dançar horas e horas comigo. Um pai que me ensinou a gostar de futebol, pincipalmente do seu Parmera, como ele dizia. Lembro das inúmeras vezes que sentávamos na sala para ouvir as vozes mais conhecidas das rádios brasileiras naquele rádio enorme para ouvir e torcer para seu Parmera, que barulhinho caracterísco. Quem tem a minha idade com certeza deve lembrar.
Mamãe conta que quando eu pequenina, ela precisou me proibir de dormir junto com eles. Dizia ela que quando ela me pegava no colo eu cheirava a seu Edgard. E que cheirinho bom tinha meu pai.Era muito aceado, adora um perfume e se vestia com requinte. Não gostava de camisas se fossem de linho puro. Calças sempre com vinco perfeitos, sapatos sempre tinindo de brilho. Todo final de semana sentava-se na soleira da porta da cozinha que dava para o extenso quintal da casa de vovó Regina, onde morávamos, e engraxa todos os vários pares de sapatos que ele tinha.
Papai era descendente de Austríacos. Era alto, lá com seus 1m e 95cm . Moreno jambo. Minha avó paterna vovó Josefina era bugre, por isso a cor da pele tão linda (graças a Deus tenho o mesmo tom de pele). Seus cabelos ondulados e de um negro invejável. Papai era paixão de homem, era paixão de ser humano. Coração de Leão. Carinhoso ao extremo e chorão que só ele mesmo. Não tinha boca para recusar qualquer trabalho que fosse e se necessário trabalhava vinte e quatro horas do dia.
 Houve um tempo de vacas bem magrinhas em nossa família, que papai precisou de um segundo emprego. Fez um curso rápido  na na Liga Campineira de futebol para ser Juiz de futebol. Tempos bons aquele em papai foi juiz. Da LCF ele partiu para novos horizontes e foi para a FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL, onde ficou dez longos anos. Apitava jogos dos times grandes do estado de São Paulo.Recebeu várias medalhas de honra ao mérito e ganhou muito, muito mesmo. Era famoso em nossa cidade e no Estado na época áurea do futebol Paulista. Época em que se viaja de trem para poder se locomover até as cidades das pelejas. Os campeonatos eram duros e exaustivos também. Mas era um tempo que não volta mais, tempo bom, bom...
Ontem ao ir na casa de minha mãe, ela me entregou uma das lembranças de papai que guardava com carinho. Pediu que eu continuasse a guardar com o mesmo carinho.E que na hora certa é para eu entregar à minha filha e assim ficará em nossa família por muitos e muitos anos.


Essas são as lembranças::.. "os apitos usados por ele, algumas das medalhas ganhas, os emblemas da LCF e da FPF e os cartões que ele usava para advertir os atletas.
Vou seguir as ideias da amiga Fê do ATELIER TAPERA URBANA que me ensinou para eu fazer na minha coleção de terços assim::..

Eu faria um painel de madeira rústica na mesma largura da cama e os colocaria ali, expostos(quem sabe uma porta antiga).
Tbm poderia deixá-los à vista na mesa de centro da sala ou de jantar, apenas com um tampo de vidro em cima.
Ou quem sabe anexá-los em vários coraçõezinhos de feltro para enfeitar a árvore no próximo Natal.
Ou ainda colocá-los individualmente em telas(aqueles quadrinhos para pintura em tela que se usa o lado contrário, pois tem profundidade. Pode-se até pintar o fundo deles com cores diferentes ou do mesmo tom e colar os terços ali. E para protegê-los da poeira, basta emoldurar com vidro. Depois pendurá-los na sala de jantar.

Além dessas lembranças, vou colocar fotos de papai em partidas, recortes de jornal e outras cositas mas.
Quando meu quadro de lembranças ficar pronto mostrarei  aqui, juntamente com a coleção de terços.

Papai foi embora muito cedo. Tinha apenas 63 anos. Um tumor em seu cérebro o levou em exatamente 89 dias. Dias que gostaria de esquecer. Dias difíceis, mas... já não era mais ele que habitava aquele corpo forte, alto e sempre belo. Deus teve misericórdia dele e não o deixou sofrer. Papi partiu há 16 anos, mas vive em meu coração eternamente.
Saudades de homem que me amou sem precisar dizer nada. Que me educaou com mão forte e firme. Que ensinou a ser digna e honesta, reta e perseverante.  Que me ensinou a pedir perdão e dar perdão , a ser humilde na hora e no tempo certo.
E me ensinou que devemos chorar mas não por banalidades e sim devemos chorar por amor., perda, saudades e quem sabe até de raiva.
Tem uma frase dele que eu não esqueço jamais::..
"Eu te dou toda liberdade, desde que você seja responsável por seus atos e atitudes. Se fizer algo de errado, engoli o choro e seja forte para enfrentar e corrigir seus erros"!


É isso pessoas que eu amo. Hoje levantei com muita saudades de meu pai. De um pai como já se tem hoje em dia.

  Beijos meus,
cheio de luz, amor, fé e esperança!




4 comentários:

Maria Luiza disse...

Boa tarde. Rosane! Vejo que a sua manhã lhe foi bastante profícua, pois encontro essa história linda de seu pai. Deve ter sido muito triste e difícil superar a sua perda. Eu não conheci o meu pai, pois um câncer o levou quando eu tinha somente 8 meses de vida e minha mãe, apenas 21 anos. Nunca mais ela se casou e viveu somente para mim. Fiz um post falando do pai que nunca tive. Quase ninguém o leu, pois eu não divulgava meu blog, mas pelos relatos da irmã dele, dos irmãos, do pai dele e da minha mãe eu tinha bastante detalhes. Parabéns, seu pai foi maravilhoso com vc. Adorei conhecê-lo.Beijão!

Maria Luiza disse...

Oi Ro,
Sei o que é sentir saudades!
Meu pai tbm partiu aos 63 anos!
Eu tinha 19 anos e sinto muita falta dele tbm!!!
Espero, em Deus, um dia me reencontrar com ele...
bjs

Adriana disse...

OI, RÔ!!! Dei uma fugida da praia e vim rever as amigas!!! Chorei de emoção com suas palavras de amor ao seu pai!!! Vc é uma pessoa linda demais!!!

mil beijos!!!

Maria Luiza disse...

Oi de novo!
Obrigada pelos carinhosos elogios!
E por pitacar na enquete!!!
bjs