quarta-feira, 3 de março de 2010

Repujados ou Latonagem???



Eu aprendi a fazer o trabalhoso Artesanato que leva o nome de Repujado ou para mim Latonagem ( será???), quando estava no colégio. No meu tempo tinhas a matéria de Artes e culinária, nossa faz tempo...

Dia desses na minha aula de Pintura, todas as terças com a Artista Plática Katia Pastorek, daqui de minha cidade Campinas SP, ela minha mestra, nos apresentou esse maravilhoso trabalho, qual vamos aprender.
Já comprei o material e semana que vem daremos inicio ao lindíssimo trabalho.
Curiosa que só, fui a campo para poder me intrar mais e melhor a respeito da técnica que iremos ultilizar.
E vejam os Sites encantadores que achei::..

 A história do Repujado através dos séculos
.
O trabalho
com metais conta com uma grande tradição cultural já que, desde a antiguidade, aparecem belas peças elaboradas com esse material. Os Celtas e Etruscos foram uma das primeiras civilizações que participaram de intercambios comerciais de bronze repujado (700-500 A.C). Também os Egípcios, Astecas, Maias, Celtas, Fenícios, Gregos e Romanos ja dominavam seus próprios métodos para o uso dos metais com finalidades artísticas. Todas essas técnicas usadas por nossos ancestrais foram evoluindo, aperfeiçoando-se com o passar dos séculos na produção de peças de valor incalculável. É bastante comum que arqueólogos encontrem coroas adornadas com lâminas em metal precioso, assim como utensílios e objetos destinados a cultos, além das máscaras. Isso pode ser observado em várias outras culturas como a dinastia "T'ang" no Oriente Médio durante o período de 960 a 1279 A.C. Eles usavam ouro e prata trabalhados com relevo para adornar pentes para cabelos entre outros objetos.

O repujado é uma técnica muito antiga que vem da Europa, derivante dos ícones - que são imagens religiosas pintadas na madeira. A partir do século XVII, meados da Idade Média, o repujado começou a conhecer seu auge porque os ícones eram postos à disposição da população em geral para sua veneração. Ocorre que, com o correr do tempo, as pinturas começaram a ficar manchadas por causa da fumaça das velas que eram acesas muito próximas às pinturas. Daí, os próprios fiéis (pessoas comuns) tiveram a idéia de cobrir essas imagens com placas de metais. Essa placas eram feitas com metais preciosos como o ouro e prata e continhas relevos demonstrando as dobras dos mantos, as coroas e todos os adornos dos ícones, deixando aparecer a pintura original somente dos rostos, mãos e pés. As molduras mereceram destaque dos artesão da época e algumas delas eram, por si só, outras obras de arte criadas nessa técnica. Em princípio, essa cobertura dos ícones recebeu o nome de 'Riza'. Os russo americanos a chamavam de 'Oklad'. Mais adiante, recebeu o nome pelo qual é internacionalmente conhecida: REPUJADO (pronuncia-se 'repurrado' já que a letra 'j' , em castelhano, tem som de 'r' duplo - como em 'carro' ). A definição dessa palavra é a seguinte:

repujar (do lat. "repulsare") . Trabalhar uma chapa metálica com instrumentos, fazendo com que o desenho fique em relevo. Também se aplica ao trabalho feito em outros materiais como o couro.

A técnica espalhou-se muito rapidamente e logo se faria muito popular por toda a Europa. As criações desse tempo eram muito mais elaboradas e variadas. Foi muito utilizada durante alguns séculos e depois foi esquecida. Mais tarde, ja no século XX (a partir dos anos 20 e 30) voltou a ser executada na Europa - berço onde nasceu - principalmente na França que começou a criar toda uma indústria ao redor da técnica, porém, já não se faziam mais ícones e assim começou a arte objeto do Repujado aplicado em objetos de decoração. Por causa das guerras, mais uma vez foi esquecida e se perdeu. A cerca de, mais ou menos, uns vinte e cinco anos voltou com força total na Europa - principalmente na Espanha e México - e daí espalhou-se por todo o mundo sendo muito executada em vários paises latinos e europeus.

Hoje em dia o Repujado é feito em metais variados como o ouro, prata, estanho, cobre, bronze e alumínio. Pode-se facilmente compreender-se que trata-se de uma técnica com notável tradição. Uma espécie de Fênix, a ave que renasce das próprias cinzas. Atualmente as peças feitas em Repujado são muito procuradas ao redor do mundo para a decoração de interiores por possuirem um indubitável matiz de distinção, qualidade e beleza. Cada vez mais tem ganhado novas fronteiras e, como pode ser aplicada a praticamente todos os tipos de materiais, é muito fácil encontrar quadros, bandeijas, caixas, bijouterias, garrafas, copos, espelhos, molduras e uma infinidade de outros objetos feitos com essa técnica maravilhosa que é o Repujado.


O passo a passo da vela abaixo você encontra clicando aqui













clique aqui e aprenda











Muito se especula aqui no Brasil a respeito do nome correto a ser usado para definir essa técnica...

O nome pelo qual a técnica é mundialmente conhecida - inclusive nos EUA onde raramente são empregadas palavras de origem latina - é REPUJADO. Pronuncia-se 'repurrado', pois é uma palavra de origem latina, e no castelhano o J tem som de R (duplo, como em 'carro').

Mas, então, de onde surgiram os nomes de Latonagem, Prata Boliviana e Repuxado?

continue lendo aqui



































imagens aqui





Para decorar vidros, taças, jarras ...fonte aqui



Madeira da Mary Marcondes



Em tecido como nesta agenda como os da artista Mary Marcondes



Mais uma ideia para velas de Mary Marcondes



O campo de trabalho e vasto, mãos a obra!!!
Beijos e beijos!
Rosane!

3 comentários:

Anônimo disse...

Lindo, parabéns, bjs.Elisabete

Anônimo disse...

Repujado vem do espanhol em português se diz repuxado ou repuxo. Esta técnica é escultórica e existe desde as civilizações antigas como a maia, por exemplo, que já criavam relevos em objetos de ouro e cobre. A estatua da liberdade foi construída com chapas de cobre repuxadas e soldadas.

cejana paniago disse...

Ola, nao consigo abrir para ver como faz pq tem q ser convidado! Gostaria muito de estar lendo mais! Obrigada