segunda-feira, 8 de março de 2010

" - DIGA NÃO A VIOLÊNCIA NESSE DIA INTERNACIONAL DA MULHER -"

aaaamaulher16


“Os espancamentos estavam ficando cada vez mais graves. No começo estava confinado à casa. Aos poucos ele parou de se importar. Ele me batia na frente dos outros e continuou a ameaçar-me. Toda vez que ele me bateu, era como se ele estava tentando testar minha resistência, para ver o quanto eu poderia aguentar".(1)

"O abuso emocional é pior. Você pode ficar louco quando você é constantemente humilhada e disse que você é inútil, você não é nada"(2)
"Meu marido me bate, faz sexo comigo contra a minha vontade e eu tenho que obedecer" (3)  

"Eu pego num cobertor e passo a noite com os meus filhos lá fora no frio, porque ele está a bater-me muito e eu tenho que levar as crianças para que ele não as bata muito" (4)

Conclusão
Se afirmarmos que os direitos das mulheres foram atingidos e ignorarmos os fatos apresentados acima (uma minúscula amostra do registo de terríveis abusos sexistas), então estamos a admitir que vivemos numa sociedade global injusta, fraca e impotente, que em mais de cem anos de esforços concertados para definir os direitos das mulheres e colocá-los em pé de igualdade com os homens, ainda não conseguimos criar estruturas universais e globais.

Enquanto uma das funções biológicas da mulher é carregar o filho durante a gravidez (se ela assim o desejar), como podemos dizer que chegámos a qualquer auge do sucesso se o direito ao emprego é em muitos casos sujeito ao preceito de que a mulher não vai ter filhos e quando poucas sociedades em todo o mundo criaram os mecanismos financeiros para as mulheres terem uma plena vida profissional no exercício das suas funções escolhidas como esposas e mães, para além de garantir o seu direito à inviolabilidade da sua integridade física?

(1) ONU: Licenciada tailandesa
(2) ONU: Mulher entrevistada na Sérvia / Montenegro
(3) ONU : Mulher entrevistada em Bangladesh
(4) ONU: Mulher entrevistada no Peru
(5) American Association of University Women. 2001.
fonte aqui

 
Estas são as palavras de Nicole Kidman, a Embaixadora de Boa Vontade da UNIFEM e porta-voz internacional para a campanha Diga Não! Unir para terminar a violência contra mulheres. 

Nicole Kidman está em campanha de sensibilização para o sofrimento de milhões de mulheres em todo o mundo, destacando a violação dos direitos da mulher no meio de estatísticas chocantes: 70 por cento das mulheres sofrem algum tipo de violência perpetrado por homens. 
Uma cidadã dos Estados Unidos da América e aa Austrália, Nicole Kidman faz campanha há anos em favor de causas humanitárias (Embaixadora da Sydney Children's Hospital, patrona do Teatro para Jovens, Embaixadora da UNICEF para a Austrália, Patrona Honorária da FARA - uma caridade que ajuda órfãos - defensora para pesquisa no câncer para as mulheres nos E.U.A., Presidente da Saúde da Mulher Fundo UCLA), e agora empresta sua voz para a campanha da UNIFEM para trazer a consciência pública às estatísticas chocantes que revelam o verdadeiro alcance da violência contra a mulher: causa mais mortes e incapacidades do que o cancro, a malária, acidentes de trânsito e atos de guerra, em conjunto.

UNIFEM revela que cerca de 70 por cento das mulheres sofrem violência por parte dos homens em sua vida. Começa cedo e não se limita aos países em desenvolvimento: Nos E.U.A., 83 por cento das meninas de 12-16 sofrem alguma forma de assédio sexual na escola. E continua na vida profissional: até 50 por cento das mulheres na UE são vítimas de assédio sexual de alguma forma no local de trabalho. 

Violência afeta centenas de milhões de mulheres em todo o mundo, todos os dias. Na Índia, 22 mulheres são assassinadas todos os dias em questões relacionadas com dotes. Diariamente, na Guatemala, 2 mulheres morrem. Na África do Sul, uma mulher é assassinada a cada 6 horas. Em São Paulo, Brasil, uma mulher é agredida a cada 15 segundos.

800,000 mulheres e meninas são traficadas anualmente, 79 por cento destas para fins de exploração sexual. 3 milhões de meninas por ano sofrem mutilação genital feminina na África, um flagelo que atinge 140 milhões de mulheres no mundo inteiro. Mais de 60 milhões de meninas são forçadas a ser noivas enquanto crianças todos os anos.

A campanha da UNIFEM que Nicole Kidman lidera é: Diga Não! - Unidos pelo Fim da Violência contra as Mulheres, lançada em novembro passado no Quénia. O objetivo é trazer a consciência pública para a gravidade e a profundidade desta barbárie continuada e inaceitável para alcançar 100,000 acções de Março de 2010, um milhão de novembro.

No cinema, Nicole Kidman chamou a atenção do público por seu desempenho em Dead Calm (1989). Em 2002 ela recebeu uma indicação ao Oscar por seu papel em Moulin Rouge e ganhou o Oscar de melhor atriz em As Horas, em 2003. Outros filmes em que atuou incluem "Far and Away", "Portrait of a Lady", "To Die For", "Os Outros", "Cold Mountain", "Dogville" e "Nascimento".

Você pode adicionar a sua voz ao protesto contra a violência de gênero e de ajuda campanha de Nicole Kidman, visitando site patrocinado pela UNIFEM http://www.saynotoviolence.org/about-say-no site.
Timothy BANCROFT-HINCHEY

Anime

FELIZ DIA DAS MULHERES PRA TODAS NÓS, MULHERES BRASILEIRAS E E TODO O MUNDO

ROSANE!

Um comentário:

Anna disse...

As mulheres não podem continuar a sofrer, temos que lutar, para não acontecer o pior.
Beijos