terça-feira, 12 de abril de 2011

- Bacalhau simples da vovó Ro e arroz de bacalhau - e historinha -



Adoro cozinhar . Mas sou adepta de coisinhas bem rápidas. Nada que me deixe horas a fil  na cozinha. Já gostei muito de receitinhas mais complicadas, mas hoje em dia prefiro as menos complicadas.
E para cozinhar apenas para duas pessoas eu e marido, nada melhor que inventar receitinhas bem enxutinhas e rapidinhas.
Marido meu é descendência portuguesa "com certeza" então...adora um bacalhau seja como for. danado come até lasquinhas cruas mesmo, antes mesmo de ir para o molho. sendo assim Páscoa não pode, não deve e nem pensar em passar sem o delicioso peixinho.
É claro que no dia da Páscoa vou caprichar mais. as receitinhas abaixo é só para semana.
Até que nesse ano não tô achando tãoooooo caro o kg de bacalhau. Mas já fizemos as compras, um pouco antes pra não deixar de última hora e pagar uma exorbitância.
Vou durante a semana separar umas receitinhas para deixar tanto eu como você que me acompanha, com água na boca.
Então???...dedinhos a postos e vamos copiar as receitinhas da vovó Rô! Ah e no final tem histórinha. eu gostei espero que você também goste.


Bacalhau simples e rápido da vovó Rosane




Ingredientes


Cebolas grandes cortadas em pétalas
5 dentes de alho cortados em lascas
700 gramas de Lombo de Bacalhau sem sal, cozido e desfiado em lascas
Batatas médias cortadas em cubos grandes e cozidas
1 xícara de chá de Azeitona Pretasem caroço
Ovos cozidos e cortados em 4 no sentido do comprimento
2 colheres de sopa de Salsa
picada
Azeite e margarina
Sal a gosto e pimenta a gosto



Modo de preparar
Desalgue o bacalhau deixando-o de molho na geladeira. Vá trocando a  água por 3 ou 4 vezes. Reserve a água da última troca para cozinhar as batatas. Numa panela grande e funda, derreta a margarina e o azeite e frite as cebolas e o alho por 5 minutos.  Junte o bacalhau, as batatas, as azeitonas e misture bem e corrija o sal se necessário for Transfira tudo para a travessa onde for servir, acomode os ovos, salpique a salsa e sirva em seguida.
  • Regue com azeite extra virgem
    Sirva com arroz branco e salada de folhas verdes

    Arroz de bacalhau da vovó Rosane
    Ingredientes
    Uma bandejinha de bacalhau do porto já picadinho
    1 xícara e meia de arroz
    3 xícaras  de água fervente
    1 cebola média picadinha
    3 dentes de alho
    1 tomate sem pele picadinho
    rodelas de palmito (quanto necessário)
    ervilhas frescas ( quanto baste)
    folhas de alho poro
    1 cubo de caldo de bacalhau
    azeite extra virgem
    salsinha picada
    azeitonas verdes picadas
    Modo de fazer
    Desalgue o bacalhau deixando-o de molho na geladeira. Troque a água umas 3 vezes. De uma leve cozida e depois desfie grosseiramente. Em uma panela doure a cebola e o alho no azeite. Junte o bacalhau e o arroz o tomate picadinho e as rodelas de palmito e as ervilhas e o alho poró. Refogue junte água fervente , Junte o cubo de caldo de bacalhau, corrija o sal. Deixe o arroz cozinhar e depois de seco coloque a salsinha picada.
    Sirva quente, decorando com os ovos cozidos cortados em 4 e salada de folhas verdes.

    Historinha que eu li aqui
    Os prazeres do fiel "AMIGO"
    Reza a lenda que, nos finais do Século XIX, perante a algazarra que vinha de uma mesa ao lado da sua, um membro de um grupo de intelectuais que tentava deliciar-se com um prato de bacalhau terá gritado: "Calem-se, por favor: Estamos aqui perante um acto de cultura".
    Denominado de "Fiel Amigo", talvez nenhum outro alimento esteja tão enraizado nas tradições culinárias Portuguesas quanto o bacalhau.
    Diz-se hoje que são mil e uma as maneiras de cozinhar este peixe, pelo que se tornaria possível comer bacalhau de forma diferente nos 365dias do ano.
    Curioso no entantó, é notar que no primeiro livro de receitas português, escrito por Domingos Rodrigues, cozinheiro da Casa Real de D. PedroII, não se encontra qualquer referência ao bacalhau. Este facto poderá ser explicado se tivermos em conta que, à data, o bacalhau, um peixe seco e salgado, não integrava as refeições das classes elitistas e constituía um recurso sobretudo para os mais pobres. Sendo um peixe com uma grande percentagem de partes comestíveis - dele se paroveitavam , além dos lombos, as caras, as tripas, as bochechas e as ovas -,proporcionava aos membros das classes mais baixas uma grande diversidade de pratos.
    Apesar de ser um dos mais típicos alimentos da ementa nacional, os portugueses só descobriram as delícias do bacalhau no Século XV, durante o período dos Descobrimentos. Terão sido os Vikings os primeiros a utilizar o bacalhau na sua alimentação. "Vizinhos" deste peixe, pescavam o bacalhau e conservavam-no, deixando-o secar ao relento. Quando pesasse cinco vezes menos e se apresenta-se bem rijo, o peixe estava pronto para suportar as longas viagens que os Vikins faziam pelos mares.
    Foi através deste povo do norte da Europa que os portugueses contactaram com o bacalhau. No Século XII e XIII, os Vikings desciam até Portugal para comprarem Sal e deixavam como moeda de troca o bacalhau: A pouco e pouco este alimento foi conquistado os portugueses. Ao contrário dos Vikings, que apenas secavam o bacalhau, os portugueses começaram, à segurança dos bascos, a salgá-lo. Numa época em que a preservação era um problema, a salga do bacalhau tornava-o num alimento resistente ao tempo e também muito apetecível, uma vez que o sal realça o seu sabor. Capaz de resistir à passagem do tempo sem perder qualidades, nutritivo, barato e de fácil digestão, o bacalhau era levado pelos navegadores nas suas longas viagens e consumido aos pedaços mesmo sem ser cozinhado. Já em território Nacional, o peixe integraria progressivamente a alimentação dos menos abonados, conquistando, mais tarde, o paladar das elites. Numa altura em que a Igreja Católica impunha cerca de 150 dias de jejum e abstinência por ano, o bacalhau tornou-se uma alternativa para quem não podia comer carne, sobretudo nas regiões do interior do país onde o peixe fresco do litoral não chegava. A este aspecto se deve ainda hoje a tradição de se comer o simples bacalhau com todos na noite de consoada.
    Fonte: Jornal Público (Liliana Duarte)

    Beijos meus,
    cheios de luz, paz, amor, fé e esperança!


    Vamos orar?
    Selinho que ganhei da mais nova seguidora do blog "Adriana" 



    Pai de infinita misericórdia, daí paz espiritual a essas famílias que sofrem.
     Senhor, tu que és todo poderoso daí calma, paz, discernimento e que a revolta não se aproxime de seus corações.
    “Ó meu bom Jesus, que a todos conduz, olhai as crianças do nosso Brasil”.
    Fiquem com a benção de Deus!!



5 comentários:

Rosana Remor disse...

Oi linda!!Também adoo cozinhar...mas que seja ligeirinho,pois tenho mais o que fazer!!Receitinha boa de bacalhau,vou anexar nas minhas favoritas!!Bela história para refletirmos!!Bjs,minha amada!!

Rosana Remor disse...

Oi linda!!Também adoo cozinhar...mas que seja ligeirinho,pois tenho mais o que fazer!!Receitinha boa de bacalhau,vou anexar nas minhas favoritas!!Bela história para refletirmos!!Bjs,minha amada!!

Nana... disse...

Não gosto de cozinha...mas amo bacalhau,nossa e o amrido faz cada comidinha que nossa!!!
Vou passar essas receitas pra ele!!!

Beijos ") @Nanazudah
http://meninacajuina.blogspot.com/
http://gordinhasdointerior.blogspot.com/
http://opesodopreconceito.blogspot.com/

Maria Luiza disse...

Menina, que arraso essa "historinha". Curti prá valer! E veja, qdo se fala que esse prato não estava nos comensais dos nobres, lembro-me perfeitamente que vovó , fazia uma panela imensa de bacalhau com batatas, quando se fazia mutirões na fazenda para roçar o pasto, colheita do café, e outras atividades, como marcar o gado, tosar as ovelhas, enfim, o bacalhau estava presente também porque não era caro. Adorei! Bjbjbj

selma disse...

Oi amiga,hoje é quarta-feira,dá um pulinho lá no chá da tarde,vai...beijos